quinta-feira, 5 de março de 2009



Quando o amor fala!


Ficara claro desde o início, porque assim ele fizera questão.Não haveriam de apaixonar-se um pelo outro, não."As paixões são para os incautos" , dizia ele.Quando partia, era sempre sem revelar seu destino, e sem nunca precisar o momento de sua volta.Ela nunca sabia quando, o reencontro.E eram únicos os momentos compartilhados.Ele podia passar horas discorrendo sobre os mais diversos assuntos.E ela, ouvidos atentos, sem perder palavra.Gostava de deixar-lhe pequenos mimos, bilhetinhos, recadinhos.No espelho do banheiro, na porta do armário, nos bolsos, na carteira, nos belos livros...Sem declarações de amor, porém.Ela cumpria, sempre.Ele nunca retribuía...nunca!E por mais que o combinado tivesse sido aquele, sentia-se de alguma forma negligenciada, deixada de lado.Não demorou para que tomasse a decisão de não voltar mais.Não havia compromisso.Não havia. Não voltaria, então.E num daqueles dias de sol e céu azul, em que ele costumava vir, ela não apareceu.Ele estranhou, mas não deu importância. Algo devia ter acontecido...Voltou nos dias que se seguiram, todos os dias.E ela não estava lá, onde sempre estivera...Não respondia seus chamados no telefone.Semanas se passaram, e a ausência que antes incomodava agora doía.Num daqueles dia em que atrasado, mal tinha tempo para o café, o copo de leite sobre a mesa, não conseguia encontrar as chaves do carro.Lembrou-se da chave extra, guardada no bolso de um paletó, em seu armário.Ao enfiar a mão no bolso em busca da chave, encontrou o bilhete, cuidadosamente dobrado. Ao abrir, reconheceu a caligrafia."Amo... Eu amo... Ahhhh, como eu amo!!!E assumo toda a minha culpa.Adeus."


Sentou-se na cama, o nó na garganta.Agarrou o telefone, os dedos nervosos, a voz trêmula ao chamá-la."Oi..." ela disse.Ele dispara:"Eu não sabia, que você...que eu...Volta?

"Volto... claro que eu volto! Eu nunca mais voltei..."

Desligou, aliviado. Não foi trabalhar.Passou o dia a vasculhar gavetas, armários, bolsos e livros.Procurava pelos bilhetes, papéis dobrados.Queria saber, descobrir.Onde, quando, como.O amor o enfeitiçou...!



Deitou-se sobre o tapete do quarto, e encolheu-se esperando, desejando, rezando e pedindo que a dor fosse embora...Fechou os olhos e adormeceu ...


Na escola da vida somos sempre iniciantes...



Há muitos textos que falam das lições que aprendemos na vida. Esse seria apenas mais um se não fosse o MEU. A minha visão, as minhas lições, os meus conselhos, o meu "Use filtro solar"!
Porque agora, após anos de vida, e muitos tombos, também tenho minhas conclusões. Estou fechando mais um ciclo e iniciando outro. Mas, dessa vez, em grande estilo, com muitos aprendizados e um coração repleto de felicidade! Enquanto isso...Aprendi que, na vida, temos apenas o que desejamos. Porém, antes de desejarmos, precisamos saber se o que queremos, é o que verdadeiramente vai nos fazer felizes.Aprendi que damos valores à coisas sem importância. E quando conquistamos o que não nos importa mas achamos que têm valor, percebemos que só valorizaremos o que tem quando perdermos o que não importa.Aprendi que, mesmo assim, nunca é tarde prá recomeçar. Resgatar as crenças. Reencontrar a essência.Aprendi que às vezes devemos deixar o Id falando sozinho. Porque se o ouvirmos sempre, mais cedo ou mais tarde, seremos cobrados pelo nosso Superego e o Ego que vai pagar a conta.Aprendi que nada, nunca, é do jeito que idealizamos. Que o real, o concreto e o simples é muito mais complexo do que qualquer ilusão.Aprendi que a felicidade vem do genuíno, do franco, do natural. Não há que se comprar felicidade. Nem que se fazê-la. Muito menos conquistá-la. Há apenas que se permitir vivê-la...Aprendi que as pessoas não são totalmente boas. E que aquelas que realmente nos amam, nos provocarão sentimentos ainda mais contraditórios. E mesmo assim, continuaremos amando-as.Aprendi que família foi uma escolha, em algum momento de nossas vidas. Ou até antes delas. Mas, que por alguma razão, está em nosso caminho. E, por mais que reclamemos, sentiremos falta certamente algum dia (esteja ela presente ou não). Por isso, temos que conviver mais e reclamar menos.Aprendi que saudade dá e dói. Mas que podemos matá-la. Principalmente se a pessoa estiver perto. Um telefonema, um e-mail, uma mensagem. Podemos demonstrá-la de outro jeito qualquer que não seja só através de uma oração.Aprendi que o amor surge de onde menos esperamos sim. E no momento em que mais estamos desavisados. Porém, sabemos que lá no fundo ele é o que mais desejamos viver. Por isso que chega.Aprendi que nas pessoas há algo muito mais valioso do que o que elas aparentam, o que elas têm, o que elas exercem, o que elas fazem. Aprendi que há algo chamado essência que não muda, em nenhuma dessas ciscunstâncias. E é isso que nos atrai. E que torna uma pessoa importante em nossa história.Aprendi que a vida é feita de escolhas. E que cada escolha tem sim sua consequência. E que somos formados por elas.Por isso, hoje, sou o que sou por causa de todas as escolhas que fiz, durante esses anos. Umas certas. Outras, nem tanto. Mas todas que, por caminhos certos ou tortuosos, me fizeram aprender o que hoje sei e me tornou uma pessoa ainda melhor. E são as mesmas escolhas que me dão a certeza de que continuarei aprendendo e terei, daqui a um ciclo, muito mais coisas prá contar...