domingo, 8 de março de 2009



I'm not used to play games... But I have to!


Inevitável. Não há como se entregar no primeiro. Segundo. Ou terceiro encontro. Nem ainda na primeira. Segunda. Ou terceira semana. Melhor se preservar. Fingir que não tá nem aí. Fazer tipinho. Se fazer de difícil. De repente, você conhece aquele que, aparentemente é o homem da sua vida! Tem todos os requisitos. É aprovado nas entrevistas. Passa no teste técnico. Tudo sob controle nos psicológicos. Mas você não pode informá-lo que foi admitido. Não se deve ligar. Dizer que está com saudade, nem pensar! Espera ele te convidar prá sair de novo. Motel na primeira noite? Tire isso já da cabeça, menina! Porque mulher que age assim é tachada de fácil. Mulher que age assim com um deve agir assim com todos. Mulher que é assim, é superficial. Ou está desesperada. E o que se faz com o que está aí dentro??? O que fazer com aquela vontade de mandar um torpedinho dizendo que adorou a conversa, que os beijos se casaram, que tá com saudade dos carinhos??? O que fazer com a idéia de levá-lo a um lugar super legal prá se divertirem juntos e se conhecerem um pouco mais??? DOBRA TUDO E BOTA NO BOLSO! Porque nesse mundo não se pode expressar a verdade. Porque ser intensa é ser banal. Porque aqui nesse mundo hipócrita não se pode demonstrar as vontades. Porque ser sincera não é normal! Meu desejo era escancarar. Falar tudo que penso. Mostrar tudo que sinto. Botar prá fora o que tenho por dentro. Ligar quando tenho vontade. Beijar quem eu bem entender. Transar com que me despertar o desejo. Mas não posso. Porque essa vida é um jogo. Não gosto. Não curto. Não quero. Mas, prá estar dentro, eu tenho que jogá-lo. Caso contrário, ficaria apenas na arquibancada, às vezes frustrada com o resultado sem poder fazer nada prá mudá-lo. E, estando no campo, eu posso sim fazer as minhas jogadas! E não há técnico, não há bandeirinha, não há juiz que possa me impedir.



TENTANDO COLOCAR EM PALAVRAS HÁ REVOLTA QUE SENTE O CORAÇÃO!