sábado, 21 de março de 2009



.Enxaqueca.
30 minutos de espera. "Cheguei com enxaqueca, vou sair com malária se demorar mais" ela pensou, impaciente. Não se mexia, a luz incomodava, uma criança no final corredor chorava, e as pessoas de branco tagarelas e sem atender continuavam á passear.
Um rapaz entra apressado, pega a senha e senta. "Ele parece com meu anjo" pensa ela...e suspira...
Uma voz da sala á frente grita seu nome, caminha devagar, sala estranha. Ao canto esquerdo, um pequeno armário de vidro, com algumas ampolas, teve sensação de ter voltado ao tempo, parecia uma sala da Cruz Vermelha em tempos de Guerra.
(E a cabeça doia)
O que você tem? Ham? O que você tem? dessa vez em um tom mais alto. "Estou com enxaqueca desde ás 11h00, já tomei esse remédio aqui" abre a bolsa tira uma enorme necessary vermelha, vasculha e entrega. Eu estou em tratamento para enxaqueca.
Não deveria doer, então.
"É não deveria."
E sua pressão como está? "Deve estar boa, sei lá não medi." Põe o braço aqui, coloca uma éspecie de relógio, mas é para medir a pressão. aperta e zooooom aperta seu pulso. "Moderno", pensa. Pressão boa, vou te dar uma medicação para enxaqueca, logo passa, logo passa.
"Vai me dar sono?"
Não.
Me acompanhe. O médico já com seus cabelos brancos, levanta e abre a porta. "Meu amor, abre a porta dizendo: Vou abrir a porta para a primeiro anjo do dia"
ela sorri e pensa novamente nele.
(é. ela sente falta)
Caminham sem falar nada, entrega a folha enorme. "Obrigada.". Garota, menos stress e cuide-se, vira devagar, todavia rápido o suficiente para que ela não retruque. Dessa vez não gritam seu nome, uma enfermeira, com o sorriso no rosto diz: Vamos lá? "Vamos" sem expressar empolgação.
"Não vai deixar meu braço roxo?" Não, eu vou lhe ensinar um truque, é só pressionar levemente, após tirar a agulha.Segura por 3 minutos e pronto."Nissim Miojo!" (hehe)
É, com ar de quem não quis discordar. Pausa. olha para seringa. Uma gargalhada. Ahh menina, comparou sua veia com um miojo, pela rapidez.Termina, agora só aperta e pode voltar para casa. Segura por três minutos. Pronto. odeia hospitais, pega sua bolsa, diz obrigada e caminha com passos largos.Avisa a filha pelo celular a volta para casa, entra na lotação... Toca justamente a música da banda que ele gosta. Mais uma das coincidências do mundo, que a gente não entende, mas agradece.
Fecha o olho, e pensa nele. "Suspira"...É suas palavras estão aqui no meu coração, e faz meu corpo ainda arrepiar e minha alma aquecer..."pensa ela..."A enxaqueca já não incomodava, "pensava nele"... "Que angustia" ... "Que dor"Fecha os olhos, e a música continua...chega em casa.
Já toma um banho e deita. E mais uma vez, pensa nele.Olha para o braço com curativo, ...é a segunda vez em uma semanas, ela precisa se cuidar...



Amor não faz previsão de tempo, ele é cheio de Contra tempo...
O amor não tem "Roteiro pré-definido" ele chega...não bate na porta...Entra!