domingo, 31 de janeiro de 2010

Poesia do silêncio




Nestas horas mortas que a noite cria, entre um e outro verso do pavoroso poema, que sob a pálida luz de uma vela eu lia, me chegavam antigas lembranças de um dilema.

Quanto amargo e dissabor o silêncio produz! Entre as sombras vacilantes da noite, chegam em formas indefinidas, que sobre minha cabeça pairam, aves e outras criaturas aladas que de infernal recônditos alçam vôo até minha mente, a perturbar minh’alma.

Essas formas indefinidas das sombras criadas pelo medo, ocupando o vazio do meu ser, preenchendo o que antes era de sentimentos sublimes e, agora, somente o sentimento de dor. O que antes era alegria, agora é tão somente o dissabor.

Que pena paga um condenado pelos sentimentos! Oh, agonia incessante. Que martírios mais terei que suportar? Como um medo tão latente do desconhecido, pode tanto me apavorar? Será do vazio de minha alma que sinto medo? Ou do esquecimento do meu ser, por outro já amado?

Não é do fim da vida que treme minha alma, mas do fim do sentir-se bem eterno. Não mais existir não é tão doloroso quanto o existir sem ser notado, ou amar sem ser amado, ou perder o que jamais será recuperado.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

SENHOR!!!


Que seja feita a vossa vontade Senhor.
Porque tu conheces como ninguém minhas fraquezas,
e o meu coração, e eu sei que o senhor meu Pai só dá
á teus filhos o fardo que eles podem carregar...
Que tu entendas meu amor porque ele é a única coisa
tenho de realmente meu, a única coisa que poderei carregar para outra vida.
Faz com que ele se conserve corajoso e puro, capaz de continuar vivo,
apesar dos abismos e das armadilhas do Mundo....AMÉM!


segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

O TEMPO E EU!




Desperta a madrugada ...
O sol dorme, os jardins,
O mar, os rios, as pedras.
Tu também dormes ...
Até mesmo os sonhos dormem,
Nos braços de Morpheu.
Eu, deitada na cama,
Olhando o infinito branco do teto,
Janela dos meus pensamentos.
Inquieta ... consumo o tempo
Desta madrugada muda.
É cedo ... Muito cedo ainda.
Mas sempre tão tarde ...
Os segundos dentro do minuto
Os minutos dentro de cada hora.
Fazendo do tempo que corre,
Maior a distância
Uma saudade infinita...


sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

A VIDA!!


A vida me ensinou...
A dizer adeus às pessoas que amo, sem tira-las do meu coração;
Sorrir às pessoas que não gostam de mim,para mostra-las que sou diferente do que elas pensam;
Fazer de conta que tudo está bem quando isso não é verdade, para que eu possa acreditar que tudo vai mudar;
Calar-me para ouvir; para aprender com meus erros...afinal eu posso ser sempre melhor.
A lutar contra as injustiças;
Sorrir quando o que mais desejo é gritar todas as minhas dores para o mundo,
A ser forte quando os que amo estão com problemas;
ser carinhosa com todos que precisam do meu carinho;
Ouvir a todos que só precisam desabafar;
amar aos que me machucam ou querem fazer de mim depósito de suas frustrações e desafetos;
Perdoar incondicionalmente, pois já precisei desse perdão;
Amar incondicionalmente, pois também preciso desse amor;
A alegrar a quem precisa;
A pedir perdão;
A sonhar acordada;
A acordar para a realidade (sempre que fosse necessário);
A aproveitar cada instante de felicidade;
A chorar de saudade sem vergonha de demonstrar;
Me ensinou a ter olhos para "ver e ouvir estrelas", embora nem sempre consiga entendê-las;
A ver o encanto do pôr-do-sol;
A sentir a dor do adeus e do que se acaba, sempre lutando para preservar tudo o que é importante para a felicidade do meu ser;
A abrir minhas janelas para o amor;
A não temer o futuro;
Me ensinou e esta me ensinando a aproveitar o presente, como um presente que da vida recebi, e usá-lo como um diamante que eu mesma tenha que lapidar, lhe dando forma da maneira que eu escolher.