terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

DIVÃN...EU!!!


Eu não vivo das receitas de felicidade e sucesso que se espalham por aí, eu tenho a necessidade de aprender tudo por mim mesma, doa o quanto doer. Eu não insisto nos mesmos erros muito tempo, nem nas mesmas fórmulas… Eu mudo sempre, seja pra melhor ou não. Eu não tenho talento pra encenações nem para o que dizem ser socialmente correto, eu tenho opinião própria seja isso fácil ou não. Eu não me importo em perder, desde que tenha sido uma guerra justa, eu não me importo em aceitar, desde que eu tenha me tornado melhor por isto.
Eu vivo mais das minhas poucas atitudes do que dos meus muitos sonhos, a minha essência nunca muda… Os meus valores apenas se reforçam, cada dia mais. Eu não espero nada da vida que eu não possa ter por mim mesma. Eu aprendi que as pessoas sentem necessidade de aceitação e afeto, mas isso não faz com que deixem de ser individuais, com características próprias. Eu não mudo só para ser aceita se isso não me fizer melhor de verdade, ou me aceitam como eu sou ou eu abandono o jogo. Não existem pessoas insubstituíveis, existem apenas pessoas únicas das quais se gosta mais ou menos.
Eu respeito meu passado, tento ser melhor no presente e não gosto de prever o futuro. Para alguns eu sou uma mistura homogênea de qualidades e defeitos suportáveis, para outros sou um vulcão prestes a explodir em fúria. Eu não me encontro nas prateleiras, nas vitrines e nas telas… Meu ponto de equilíbrio permite oscilações. Hoje sou pura acidez, amanhã sou o doce mais doce, sempre sou eu.



domingo, 21 de fevereiro de 2010

DIVÃN...MEU MUNDO TÁ FECHADO PRA VISITAÇÕES!


Eu vivo num mundo que somente eu consigo entender...minhas coisas, meus conceitos, minha vida, meu mundinho...a minha opnião é apenas o que me importa agora sem distracões...
Nesse momento eu tento adivinhar coisas que estão além do meu olhar.
Eu sou uma criança de um povo surdo...que não escutam os meus gritos.
E que venham à meu socorro alguém, pq agora estou construindo em volta da minha vida barreiras pra não mais ver o dia.
Eu orei à meu Deus, fechada e sozinha em minha torre, e ele não me escutou...
Como vocês, eu queria ver rostos, mas só o que vejo são mascaras e pessoas falsas..!
Só por hoje quero esquecer esse mundo sordito, quero sair por aí, ver a paisagem, escutar minha mensagem.
As barras de uma gaiola podem me cercar nesse momento, mas não cessarão minhas lágrimas.
Eu tentei perdoar e fechei os olhos, para aprender a sonhar.
E eu tentei perdoar, e fechei os olhos sobre minha realidade.
E agora eu sou o alvo que ele precisa, o satélite à mais..
E eu curvei meus joelhos e rezei...mas meu Deus não me escutou.
E agora sou hóspede do medo!


"Andar junto, pular junto, é perfeito
Cair junto, morrer junto, é perfeito
Andar junto, pular junto
Cair junto, morrer junto
Partir em cinzas, não escutar nada
Acabar em sangue,
Não mais esperar.."


terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

DIVÃN "Nostalgia..."


Estou aqui! Alguém pode me ouvir?
Era possível ouvir minha voz se completando num eco. Gritei mais uma vez. Mais duas. Nada. Será que ninguém viu a cena que eu fiz? Ninguém pode compreender os meus atos? Minhas falas tão bem formadas? Ninguém?
E grito mais uma vez.
A solidão é uma companhia calada, admito. As paredes do meu quarto me encarando. Não há nada. Só uma menina desesperada por atenção. Se ninguém ao menos pode me ouvir como posso ter a audacia de desejar que leiam meus olhos?
Ninguém jamais conseguirá os ler!!!
Então os próprios se enchem de lágrima, seria fácil agora, chega a estar berrante. Mas ninguém está quando eu choro. Quando quebro todas as defesas, todas as enganações comigo mesma... Ninguém vê! Só a solidão...Que agora apoia a mão no meu ombro e me segura pelas mãos.
Não adianta gritar, diria ela se pudesse se expressar, estou aqui. E mais uma tarde se passa. Nada muda. A mesma cena. A mesma platéia. Minha vida toda, assim.


segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

DIVÃN...PENSAMENTOS!


Cada pessoa é arquiteto de sua propria sorte!
E eu acho que a sorte deve tá alicerçada em coisas solidas!
Bases fortes, inquebraveis! Não tenho visto isso, não tenho visto ultimamente, o alicerce...A base!
É como uma represa em que as paredes são fortes, revestidas pra que possa conter a imensa força das águas!
Quando há uma simples rachadura numa dessas paredes, na mais insignificante que esta seja, o que acarreta? O rompimento totaaaal!
O desmoronamento e tudo que ali tinha sido contido, guardado, cuidado, e mantido... se vai... junto a correnteza!
E o que há em volta, não se sabe ao certo se sobreviverá, se permanecerá do mesmo jeito, intacto, perfeito!
Uma pena perder tudo por uma simpes rachadura, mas é a triste verdade!
Uma simples bobeira, dá inicio ao que pode ser um fim desastroso e indesejado...É só uma idéia, é só um comentário, é só o que me veio na cabeça agora!
Pense bem, haja cautelosamente, evite rachaduras!
EVITE-AS, evite-as com toda a força que você pode!

EU...
Impulsiva,
Inconstante e
Intensa!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Eu tenho andado tão sozinha ultimamente!!!


Tem uma música que diz assim: "eu tenho andado tão sozinha, que eu nem sei no que acreditar", e às vezes minha vida parece o clip disso aí, porque mesmo em meio a um monte de gente, já não sei mais no que ou em quem acreditar, em meio a tudo isso, a única coisa que posso afirmar que permanece inalterada é minha fé em Deus, no mais, já nem sei...
Às vezes acredito com tanta convicção em certas coisas por razões que para a minha ideia lógica são equações exatas, com 100% de probabilidade de darem certo, mas aí vem a vida e embaralha todos os números e me mostra que nada do que eu pensei será efetivamente como eu gostaria que fosse... caramba, porque é tão complicado assim? Será que pelo menos por uma vez não pode ser só um pouquinho mais fácil?
Mas sabem de uma coisa? Eu cansei, cansei de esperar e até mesmo de tentar entender, e numa boa! Desisti de muita coisa, de muitos sonhos, de coisas que eu sempre achei que me fariam feliz de verdade - e que no fundo eu sei que fariam mesmo - , mas se preciso desistir pra levar uma vida mais leve, vamos lá Dona Vida, entrego meus pontos hoje, você venceu, não vou mais lutar, nem acreditar, nem esperar, nem me esforçar para entender e assim criar novas expectativas que só me trazem frustração; daqui pra frente vou só viver, sem sonhar, sem pensar em amor, em sentimento, um dia de cada vez e mais nada, tô cansada de tentar entender, de compreender mil vezes e ser compreendida raríssimas vezes; cansei de ser paciente e depois ser acusada de não ter meus sonhos realizados por ser justamente o contrário; cansei de tentar entender as pessoas ao meu redor, pra tudo achar justificativa e perdoar, mas quase nunca ser perdoada pelos meus erros, que assumidamente tenho.
Cansei de querer o que você já me provou que não tenho o direito de ter, tá certo, façamos então este pacto: você não põe em meu caminho mais ninguém, que ele seja assim, vazio, uma estrada aberta num grande descampado, e eu, por minha vez, seguirei neste caminho, sempre em frente, sem nada a ver ou esperar, e assim você se torna mais fácil e leve pra mim, e eu então passarei a viver, pelo menos, em paz.
Só queria, Dona Vida, que você não me machucasse mais; talvez tenha mesmo sido boba em não perceber algumas oportunidades que você me deu, mas de qualquer modo, já me desiludi e me tornei o que você me fez: alguém sem nada mais a oferecer, minha cota de amor acabou, como aquela areia que escorre de um lado para o outro da ampulheta sem nada restar no lado esvaziado, acabou finalmente, e não vale a pena você tentar mudar isso porque demorou, mas entendi o que realmente deve ser, vamos levar a sério nosso pacto, vamos buscar o equilíbrio já que você está dentro de mim e que teremos que conviver sempre juntas, invariavelmente... hoje acabou de verdade, já declarei o que penso e a sua vitória, minhas desilusões e a convicção sobre o que não será, espero que seja o suficiente.

Não me recordo de em nenhum outro momento da minha vida ter me sentido tão sozinha quanto agora...


sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

será que existo...? Ou será apenas a existência que vive em mim!!


A existência de nós me choca todos os dias.
Não sei se por sua beleza e graça ou se por tão difícil. A vida de todos é difícil, de todos.
E são todas também belas, repletas de sorte, de grandes feitos, encontros poderosos, presentes de Deus. Todos os seres-humanos com quem já conversei me surpreenderam com suas vidas. Às vezes surpreendi-me com a banalidade de suas vidas, surpresa na verdade com as atrocidades que tais pessoas sofreram e sofrem até chegarem ao cúmulo de se tornarem banais.
Sempre estive entre gente bonita e gente feia, amigos velhos, adultos, crianças. Num dia estou entre milionários, no outro estou entre gente humilde, humilde mesmo. Todos são ricos. Todos respondem a pelo menos uma das minhas tantas perguntas sobre o mundo, sobre mim mesma. Todos me suscitam novas perguntas.
O que é o homem, a mulher, o ser, senão uma lista de vitórias sobre histórias tristes? Não sei, não sei mais do que isso sobre este assunto. Sei apenas da minha pré-disposição tão piegas ao amor e ao encanto pela vida humana. Sei que hoje, quando acordei, não conseguia ver graça em ninguém, nem em mim mesma!