sexta-feira, 28 de maio de 2010

Hoje no BUSÃO...kkkkkkk.


Estava eu bonita e formosa indo fazer um exame, lendo meu livro e tal...
O busão, daquelas bem lotadas e cheirando a desodorante Axe. hihihihihi nuss odeio... =P

O povo tava indo trabalhar com aquela cara de "Droga queria estar dormindo" rsrsrsrs

Mas como todo bom brasileiro tem quer ir a luta lá estavam eles...
Mas o que aconteceu hoje foi inusitado e muito engraçado!

Eu estava sentada no banco dos fundos e tinha um espaço vago entre eu e duas Garotas que conversavam sem parar...Por um momento elas soltaram uma risada um pouco mais alta.. e dirfarçaram como se estivesse cometido um desconjuro...putz...

"Se eu tivesse no lugar delas não teria feito isso"rsrsrsrs..

Quando me dei conta do que elas estavam falando quanse me joguei da janela.
Entrou um TRAVESTI no ônibus cheio de bolsa e sacolas em um salto incrível. (morri de inveja) =/ mas elas acharam graça na cena ..
O Garoto travestido (conhecido popularmente como TRAVECO) o que eu acho um absusrdo o desrespeito das pessoas; ficou irritado com as gracinhas das meninas e falou um kilo de coisas pra ela :

-Vc estava rindo de mim?

_ Não!

- Vc acha que eu tenho cara de otária Garota.?

_não estavamos rindo de vc moça!

- Agora eu sou moça né..!

Olha aqui querida eu sou CABELELEIRA E MAQUIADORA, não sou dentista.
Eu trabalho meu amor, pego esse ônibus todos os dias.. Sempre respeitei as pessoas.Vc está precisando sabe do que?! Apanhar na rua.. isso sim...E vc acada de encontrar a pessoa que vai te bater.

Nesse momento foi ótimo, me deu vontade de gritar:

"É ISSO AÍI AMEEEGA TO CONTIGO E NÃO ABRO.!" KKKKKKKKKKK

Mas já pensou, se ela se revolta contra mim?! Prefiri continuar prestando atenção.
A cara das duas meninas eram ótimas... tremeram de medo.

Bemm feito.! ^.^

hahahaha pena que não deu tempo pra tirar foto...DROGA! hihihihihihi

Quem sabe uma outra vez né! kkk ....Eitaaa cidade que só tem loko!

Abraços e bjimmm á todos...e um otimo final de semana! ;)

quinta-feira, 20 de maio de 2010

DICAS INFALÍVEIS PARA DAR TUDO ERRADO!! =/


Ontem, vendo a capa de uma revista masculina, notei uma coisa curiosa.
A chamada na capa: "Sete dicas poderosas para adiar seu casamento".
Uau! É esse tipo de mensagem que passam para os homens em revistas masculinas? Não apenas: vejam peitos, bundas e úteros escancarados, mas também “adie seu casamento”. Curioso...
A mensagem que nossa sociedade machista passa o tempo todo é: ter uma mulher só é ruim. Ter várias peladas é bom. Logo, pra que se comprometer? Adie o sofrimento!

É cada vez menos provável que homens e mulheres dêem certo juntos. O que se vê nas revistas femininas (tão machistas quanto as revistas masculinas) é: não sei quantas dicas infalíveis para manter seu casamento, não sei quantas dicas infalíveis para apimentar sua relação, não sei quantas dicas infalíveis para seduzir seu marido...Tem até mulher dando “curso de sedução” pras outras mulheres pra elas esquentarem seus casamentos e evitar que seus maridos procurem alguma coisa fora de casa. Enquanto as revistas masculinas e o resto da sociedade diz: veja fulana pelada, veja o útero da beltrana em nova posição, dicas para pegar todas na balada. E agora mais essa: dicas para adiar seu casamento.

Como se nós, mulheres, estivéssemos implorando aos homens: casem-se com a gente, por favor! Até concordo que isso exista ainda, sim. Em cidades do interior com menos de cem habitantes onde não chegou luz e televisão ainda, e em vilarejos pouco povoados no pólo norte, onde o clima extremamente frio atrapalha o desenvolvimento mental e intelectual. Fora isso, acredito que homem algum precise de dica pra adiar seu casamento. É bem mais simples, basta não se casar. Tem homem que se casa como se estivesse fazendo um grande favor pra mulher. Gente, como casamento ou qualquer relação pode dar certo assim? Um lado é educado pra pegar todas, nunca ser fiel, pagar por sexo sem compromisso e não querer casar. O outro lado é educado pra casar, ser uma boa esposa, seduzir o marido na cama por 50 anos pro casamento não acabar e, se acabar, a culpa é da mulher que não foi boa o suficiente pra segurar o cara. Ah, me poupem! =/

Nunca ouvi falar em curso pra homem aprender a ser mais paciente, mais tolerante, mais fiel ou ouvir melhor. Por que não tem na capa das revistas: Sete dicas poderosas para compreender melhor o que sua mulher está dizendo e como manter um diálogo coerente? Ou quem sabe: Sete dicas infalíveis de como se atrair por sua mulher ao invés de precisar comprar revistas de mulher pelada. Ou ainda: Saiba qual a idade ideal pra se casar, pra assumir responsabilidades e para crescer (crescer como ser humano e não como um idiota).

Dá pra perceber que há uma distância enorme entre o que a sociedade ensina pras mulheres e o que ensina pros homens?! A mulher mais velha que não se casou é encalhada. O homem mais velho que não se casou é um bon vivant (que provavelmente soube usar muito bem as sete dicas poderosas das revistas masculinas de como adiar seu casamento).
Enquanto a gente viver numa sociedade machista (voltada única e exclusivamente pro pinto do homem), vamos viver dando cabeçadas por aí, e homens e mulheres nunca vão se entender. Acredito que o futuro da humanidade tem um só destino: os homens trancados no banheiro com revistas de mulher pelada e as mulheres fazendo curso de como seduzir marido dançando em volta do poste. Cada um no seu canto.

Affffff...Me desculpem, mas isso revolta! =X

terça-feira, 11 de maio de 2010

"Lua lá no céu...mostra no papel...aonde encontrar..."




A visão que as pessoas tem uma das outras é um conceito muito particular, isso me inclui tb, os anos se passam e fico reparando as "mudanças de fases que tenho", não é TPM não, é crescimento, vez em quando crescemos sabia, e quando isso acontece mudamos por dentro também, e não só por fora.

A sensação que tenho é que estou numa dessas "fases" onde observo demais, ouço demais e tenho uma vontade absurda de fazer alguma coisa por mim mesma.

As vezes isso acontece em um dia, em um mês, em um ano, não há periodicidade pré-definida, apenas acontece ou não, pois para algumas pessoas, na minha visão, isso as vezes não acontece ou demora muito, mas é a minha visão.
Posso dizer que dentro de mim sempre tenho a "certeza da minha dúvida", no que me diz respeito, essa certeza é aquela voz interior que teima em me cutucar e me incomoda ou não, dependendo da minha atitude.


Sempre achei que todas as pessoas, dentro de si, tem essa voz interior, o problema é que muitas vezes, muitas mesmo, não queremos lhe escutar, porque ela vai de encontro ao que "desejamos". Só que nem sempre o que desejamos é o melhor pra nós mesmos, ou o mais adequado naquele momento ou o menos sofrido.


Antes encarava o sofrimento como uma coisa a ser evitada, não penso mais assim, se através dele vou chegar a me superar e ser uma pessoa melhor, então não posso evitá-lo, devo superá-lo.


É tudo muito lindo escrito e falando, mas como ser humano imperfeita que sou, sigo repetindo pra mim mesma essas palavras, todos os dias, até que eu acredite de verdade nelas, e faça valer a pena. Mas, enquanto isso não ocorre, vou tentando, como todo mundo, e de tentativa em tentativa, me deparo com erros e acertos, encontros e desencontros, guerra e paz, e toda essa dualidade que existe dentro e fora de nós.


Onde quero chegar com esse texto? Em lugar nenhum, porque já estou nele!!


sábado, 8 de maio de 2010

Aprendendo sempre!



O dia mais belo?
HOJE
A coisa mais fácil?
ERRAR
O maior obstáculo?
O MEDO
O maior erro?
O ABANDONO
A raiz de todos os males?
O EGOíSMO
A distração mais bela?
O TRABALHO
A pior derrota?
O DESÂNIMO
Os melhores professores?
AS CRIANÇAS
A primeira necessidade?
COMUNICAR-SE
O que mais lhe faz feliz?
SER ÚTIL AOS DEMAIS
O maior mistério?
A MORTE
O pior defeito?
O MAU HUMOR
A pessoa mais perigosa?
A MENTIROSA
O sentimento mais ruim?
O RANCOR
O presente mais belo?
O PERDÃo
O mais imprescindível?
O LAR
A rota mais rápida?
O CAMINHO CERTO
A sensação mais agradável?
A PAZ INTERIOR
A proteção mais afetiva?
O SORRISO
O melhor remédio?
O OTIMISMO
A maior satisfação?
O DEVER CUMPRIDO
A força mais potente do mundo?
A FÉ
As pessoas mais necessárias?
OS PAIS
A mais bela de todas as coisas?
O AMOR...E PAPAI DO CÉU

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Chama do sentimento!


Ontem caminhando sem saber ao certo onde ir...apenas caminhando, senti vontade de ir em um lugar onde fazia tempo que eu não ia, é um lugar muito charmoso que tem na av. Paulista...parei ali para tomar um capuccino e pensar...
Enquanto eu aguardava, comecei a voar com meus pensamentos...e me veio uma vontade louca de escrever tudo o que me passava pela cabeça..." Eu sou bem assim...rsrsrsrsr"
Eu pretendia apenas recolher da minha vida diária algo de seu disperso conteúdo humano, fruto da convivência, que a faz mais digna de ser vivida.
Não sou poeta, apenas tento escrever o que vejo...o que sinto naquele momento...o que as pessoas me passam..!
Mas antes de começar a escrever, lanço um último olhar fora de mim, onde vivem os assuntos que merecem uma crônica.
Foi nesse momento que ao fundo do botequim"Assim eu chamo esse lugar :)" um casal acaba de sentar-se, numa das últimas mesas de mármore ao longo da parede de espelhos.
A compostura da humildade, na contenção de gestos e palavras, deixa-se acrescentar pela presença de uma menininha de seus três anos, laço na cabeça, toda arrumadinha no vestido floridinho,
que se instalou também à mesa: mal ousa balançar as perninhas curtas ou correr os olhos grandes de curiosidade ao redor...ela fica ali, quetinha, a espera de alguma coisa...com um jeitinho vergonhoso...timido.
Três seres humanos que compõem em torno à mesa a instituição tradicional da família, entre a sociedade.
Vejo, porém, que se preparam para algo mais que além de comer.
Passo a observá-los. O pai, depois de contar o pouco dinheiro que discretamente retirou do bolso, aborda o garçom, inclinando-se para trás na cadeira, e aponta no balcão um pedaço de bolo sob a redoma.
A mãe limita-se a ficar olhando imóvel, vagamente ansiosa, como se aguardasse a aprovação do garçom.
Este ouve, concentrado, o pedido do homem e depois se afasta para atendê-lo.
A mulher suspira, olhando para os lados, a reassegurar-se da naturalidade de sua presença ali.
Ao meu lado o garçom encaminha a ordem do freguês.
O homem atrás do balcão apanha a porção do bolo com a mão, larga-o no pratinho -- um bolo simples, amarelo-escuro..."acho que era de laranja", apenas uma pequena fatia triangular.
A menininha, contida na sua expectativa, olha a garrafa de Coca-Cola e o pratinho que o garçom deixou à sua frente.
Por que não começa a comer? Penso eu!
Vejo que os três, pai, mãe e filha, obedecem em torno à mesa um discreto ritual.
A mãe remexe na bolsa de plástico preto e brilhante, retira qualquer coisa. O pai se mune de uma caixa de fósforos, e espera.
A filha aguarda também, atenta com os olhinhos brilhando. Ninguém mais os observa além de mim.
São três velinhas brancas, minúsculas, que a mãe espeta caprichosamente na fatia do bolo...E enquanto ela serve a Coca-Cola, o pai risca o fósforo e acende as velas.
Como a um gesto ensaiado, a menininha repousa o queixo no mármore e sopra com força, apagando as chamas...Imediatamente põe-se a bater palmas, muito compenetrada, cantando num balbucio, a que os pais se juntam, discretos: "parabéns pra você, parabéns pra você..." Depois a mãe recolhe as velas, torna a guardá-las na bolsa. A menininha agarra finalmente o bolo com as duas mãozinhas e põe-se a comê-lo.
A mulher está olhando para ela com ternura - ajeita-lhe a fitinha no cabelo crespo, limpa o farelo de bolo que lhe cai ao colo...O pai corre os olhos pelo botequim, satisfeito, como a se convencer intimamente do sucesso da celebração. Dá comigo de súbito, a observá-lo, nossos olhos se encontram, ele se perturba, constrangido, com vergonha - vacila, ameaça abaixar a cabeça, mas acaba sustentando o olhar e enfim se abre num sorriso.
Assim eu quereria que fosse minha última crônica, meu último poema:

"Que fosse pura como esse sorriso..."

E assim eu sai dali com pressa, a chorar...e pensar...
Como ser feliz é simples...Simples como uma única fatia de bolo, um afago e um belo sorriso!

"Pq o amor não prospera em corações que se amedrontam com sombras."



segunda-feira, 3 de maio de 2010

ESTA LINDA HISTÓRIA ME FEZ CHORAR!!! "PAPAI... Quanto me amas?"







No dia que nasceu nossa filha, meu marido, não sentiu grande alegria. Por que a decepção que sentia parecia, ser maior do que o grande conhecimento de ter uma filha.
Ah!!! Eu queria um filho homem!!!!
Lamentava o meu marido.

Em poucos meses ele deixou-se cativar pelo sorriso da nossa linda Carmenzita e pela infinita inocência do seu olhar fixo e penetrante, foi então que ele começou a ama-la com loucura.

A sua carinha, o seu sorriso não se separavam mais dele. Ele fazia planos sobre planos, tudo seria para a nossa Carmenzita.

Numa tarde estávamos reunidos em família, quando Carmenzita perguntou ao papa:
Papa,... Quando eu completar quinze anos, qual será meu presente?

Meu amor, tu tens apenas sete aninhos, não axas que falta muito tempo para essa data?

Bem papa,... tu dizes sempre que o tempo passa a voar, ainda que eu nunca o tenha visto por aqui.

Carmenzita já tinha catorze anos e ocupava toda a alegria da casa, especialmente o coração do seu papa.

Num Domingo fomos á igreja, Carmenzita tropeçou, e o seu papa de imediato agarrou-a para que não caísse...Já sentados no banco da igreja, vimos como Carmenzita foi caindo lentamente e quase perdeu a consciência.

O papa agarrou-a e levou-a imediatamente para o hospital.
Ali permaneceu por dez dias e foi então quando lhe informaram que Carmenzita sofria de uma grave doença que afectava seriamente o seu coração.

Os dias foram passando, seu papa despediu-se do seu trabalho para dedicar-se a Carmenzita. Todavia, eu sua mãe, decidi trabalhar, pois não suportava ver a Carmenzita sofrendo tanto.

Numa manhã, ainda na cama, Carmenzita perguntou ao seu papa:
Papa? Os médicos disseram-te que eu vou morrer?

Não meu amor...não vais morrer, Deus que é tão grande, não permitiria que eu perdesse o que mais tenho amado neste mundo.

Quando a gente morre vai para algum lugar?
Podemos ver lá de cima nossa família?
Sabes se um dia podemos voltar?

Bem filha,... na verdade ninguém regressou de lá e contou algo sobre isso, porém se eu morrer, não te deixarei só, onde eu estiver buscarei uma maneira de me comunicar contigo, e em última instância utilizaria o vento para te ver.

O vento? E como você faria?

Não tenho a menor ideia filhinha, só sei que se algum dia eu morrer, sentirás que estou contigo, quando um suave vento roçar no teu rosto e uma brisa fresca beijar a tua face.

Nesse mesmo dia à tarde, fomos informados pelos médicos que nossa Carmenzita necessitava de um transplante de coração, pois do contrário ela só teria mais vinte dias de vida.
UM CORAÇÃO!

DONDE CONSEGUIR UM
CORAÇÃO?

UM CORAÇÃO!

ONDE, MEU DEUS?

Nesse mesmo mês, Carmenzita completaria os seus quinze anos. E foi numa sexta-feira a tarde quando conseguiram um doador. Foi operada e tudo correu bem.

Carmenzita permaneceu no hospital por quinze dias e nem uma só vez o seu papa foi visitá-la. Todavia, os médicos deram-lhe alta e ela foi para a sua casa.

Ao chegar a casa Carmenzita com ansiedade gritou:

Papa! Papa!... Onde tu estás?

Eu sai do quarto com os olhos molhados de lágrimas e disse-lhe:

-Aqui está uma carta que o teu papá deixou para ti.

"Carmenzita, filhinha do meu coração: No momento em que leres a minha carta, já deves ter quinze anos e um coração forte batendo no teu peito, essa foi a promessa que me fizeram os médicos que te operaram. Não podes imaginar nem remotamente quanto lamento não estar ao teu lado neste instante.

Quando soube que morrerias, decidi dar-te a resposta da pergunta que me fizeste quando tinhas sete aninhos e a qual não respondi.
Decidi dar-te o presente mais bonito que ninguém jamais faria por minha filha... Te dou de presente minha vida inteira sem nenhuma condição, para que faças com ela o que queiras.
Vive filha!! Te amo com todo o meu coração!!

“Carmenzita chorou todo o dia e toda a noite; No dia seguinte foi ao cemitério e sentou-se sobre a campa do seu papa; chorou tanto como ninguém poderia chorar.

e sussurrou: " Papa,... agora posso compreender quanto me amavas eu também te amava, ainda que nunca o tenha dito, agora compreendo a importância de dizer-te "Te Amo" e te pediria perdão por haver guardado silêncio tantas vezes ".

Nesse instante as copas das árvores balançavam suavemente, caíram algumas folhas e florzinhas, e uma suave brisa roçou a face de Carmenzita, olhou para o céu, tentou enxugar as lágrimas do seu rosto, levantou-se e voltou para casa.



POR FAVOR,ENTENDAM COMO É IMPORTANTE DIZER "EU TE AMO"
E DIGA SEMPRE QUE SEU CORAÇÃO PEDIR PRA DIZER, POIS VC NUNCA SABERA SE VAI SER A ÚLTIMO VEZ...!