quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Toda mulher tem a pele “double - face”


Mulheres


Acredito que todas nós temos um avesso. Um dia a pele é clara ou negra. A que transpira, respira e com a textura de veludo se defende, arrepia, mas se recupera. Outro dia somos de carne viva. Mostramos as entranhas e os nervos expostos. E mesmo assim damos o jeito de revirar as façanhas e seguir em frente. É a pele “double-face”, o revestimento que sobrevive a tantas lutas e continua sendo o alvo de atenções.

Os amores que se foram. Os entes queridos que partiram. O trabalho que adorava e foi demitida. A promoção que estava na boca de saída e parou no status do colega. Enfim, quantas decepções, desilusões e realidades que fazem pensar que não tem mais nada para sofrer. E é nesse exato momento que a pele vira do avesso, vem defender sua dona e criar a fortaleza da muralha do coração que se impõe.

Mulher não é a bobinha de antes. Nem possui a textura frágil do passado. Com a couraça moderna se vira como pode - É equilibrista emocional e tem poros que fazem sorar a criatividade. Ter pele “double face” é uma conquista. A dupla função - fora do lar e dentro dele, ser mãe e profissional competente e outros quesitos gravados no pen drive pessoal. Ainda vamos conquistar projetos grandiosos, como ganhar como um homem com a idêntica formação que possuímos. Não ter a inveja do pênis e combinar o “poder forte” com o “poder leve”. A atitude da mulher que hoje se desdobra em interagir na sociedade, relacionamentos e nas empresas onde caminha com os passos leves típicos do salto fino e fortes onde a marcha brilha com o tom que ecoa o sucesso.

Por estar buscando o espaço que antes exalava somente testosterona, sente a pele que bate nos cacos de vidro do castelo de pedras pontiagudas. Mas vale a pena aprender com as decepções e as cicatrizes profundas, porque nos sinais de vitória vão estar gravados para sempre a bela e a fera do século que desponta e dos outros que ainda estão por vir.

Quando doer, mulher, fique certa que a sua pele vai virar do avesso. Pode escorrer sangue de um lado, mas o aroma de rosas vai surgir do outro. Um instante é áspera devido aos ventos duvidosos e como seda por ter sido treinada para ser “camaleoa” quando tiver que escapar.

A cara lavada mostra a pele crua. A maquiada a que seduz os homens. O sorriso trancafiado desafia a alegria e o escancarado liberta a felicidade. “Double face”, isso mesmo: Somos assim tão duais, esplêndidas fêmeas que no avesso do avesso acontecem e atuam como protagonistas.

Temos que ser melhores, mais do que somos e pretendemos.
Não lamente as lágrimas nem os pesadelos das perdas.
Ao contrário, acredite que o avesso feminino sabe dar o troco e reconstituir a imagem.
Não repita as coisas do passado que entristecem.
Faça por onde recomeçar o “novo” ao amanhecer.
Mesmo que as feridas latejem, existe a possibilidade de buscar alternativas.
O desespero deturpa a inteligência e a emoção se ressente.

(por Beth Valentim.)





COM ESSE TEXTO MARAVILHOSO, VENHO ME DESPEDIR DE 2010...
E FESTEJAR 2011 COM UMA BELA TAÇA CHEIA DE PROSECCO, SIDRA, ESPUMANTE, PERRIER, VINHO OU ÁGUA SE NÃO TIVER NADA HIHIHIHIHI...
E QUE VENHA 2011 FAZENDO FESTA EM MIM...
EM TI...
EM NÓS...


LINDO COMO TEM QUE SER! *-*



ADEUS PRA NUNCA MAIS ANO VELHO...

E

FELIZZZZ ANOOOOOOOOOO NOVOOOOOOOOO!





By San.









quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

"... Vida louca vidaaaaaaaa, vida breve. Já que eu não posso te levar, quero que vc me leve ..."


Nussssssssssss, essa minha última semana foi corrida SUPER!
Sem tempo, sem vento, sem lenço e sem documento....hihihihihihihihi sem nada.
Eu estou muito ocupada, muito cansada, vivo com sono e de coque no cabelo.
Minhas unhas estão péssimas e minhas pernas mais péssimas ainda... Sem tempo até pra passar um creminho! =//
Masssssss eu gosto disso... Dessa correria... Desse "sem tempo pra nada"
Mesmo assim ouvi um elogio, pode?
Tem gente que é cega mesmo! kkkkkkkkkkkkkk

Bem, semana do Natal, ruas cheias, trânsito caótico, shoppings e lojas lotados, muito calor e, consequentemente muita chuva.
Affffffffff falando em chuva, ontem fui pro trabalho de barquinho... =@
Que era aquilo pai?

Amanhã dia 23 tem amigo secreto com os amigos e diversão... Espero que não chova!
E depois, dia 24 amigo secreto da família.
Nusssss vou rir demais... Eu aprontei uma pro meu amigo da onça kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...Vou ter dor de estomago de tanto rir. (6) =D
Espero que o meu amigo onçinha não faça pior! hohohohohohohohho...
Ahh, agora é curtir esse fim de ano, e claro, agradecer por esse ano ter sido tão bom. Mesmo que algumas coisas tenham me feito muitas vezes chorar... Mas faz parte da vida né!?
Afinal, a vida tem a ver com escolhas.
Nós somos a soma das nossas escolhas. E a maioria delas não é feita por nós.
Você não pode escolher quando e onde vai nascer.
Você não pode escolher a família em que vai nascer.
Nem mesmo quem vai amar.
Mas você pode escolher como vai amar! *-*
E isso faz a diferença. =]

Portanto,
Nós temos escolhas!


Que em 2011 o caminho entre os sonhos, as escolhas e a concretização dos mesmos se encurte mais, e que todos tenham 365 oportunidades de viver, cantar, pensar, ter fé, amar, ser feliz e povoar felicidade. *-*

Em 2011 será tudo novo, de novo!
Feliz Natal e um excelente 2011.

Que todos tenham uma ótima Quarta-feira...
E um ótimo Natal cheio de paz, carinho e muito amor! ♥

E não se esqueçam...

Enfeite a árvore de sua vida com guirlandas de gratidão!
Coloque no coração laços de cetim rosa, amarelo, azul, carmim.
Decore seu olhar com luzes brilhantes estendendo as cores em seu semblante...
Em sua lista de presentes, em cada caixinha embrulhe um pedacinho de amor, carinho, ternura, reconciliação, perdão!
Tem presente de montão no estoque do nosso coração e não custa um tostão!

A hora é agora! Enfeite seu interior! Sejas diferente! Sejas reluzente! Seja feliz!


Beijos de panetone... e abraços com cheirinho de Natal...hehehehe *-*

By San.


segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

CONTO DE NATAL...




Não sou princesa, mas súdita do castelo. Trabalho na cozinha cortando batatas. Um monte delas! Quando termino o serviço, vou até a floresta. Certo dia, caiu uma tempestade terrível e não pude retornar. Adormeci sob uma árvore frondosa. Estava com muito medo. Quem conhece os verdadeiros perigos das matas?

De repente, escutei um delicado barulho. Abri com cuidado os olhos e não acreditei no que via. Um cavalo cor-de-rosa, lindo! Com um olho azul e outro verde. Os cílios eram negros e longos. A crina prateada ia até o chão. Soltava leve fumaça branca e rosa pelas narinas, clareando o nosso redor. Levantei-me com certo receio. Ele se abaixou para que sentasse em seu lombo. Alguma coisa em meu coração dizia: vá com ele!

Galopamos até chegar a um reino todo rosa. Das chaminés das casas saíam fumaça rosa. As pedras do chão das ruas estreitas também eram de cor rosa. Paramos em frente a uma casa branca, a única do tal reino. Tinha janelas e porta de cristal e delas saíam estrelas.

O cavalo se abaixou para que eu descesse. Um velhinho de barba branca apareceu. Tinha o sorriso gostoso, bochechas cor-de-rosa. Pediu que entrasse. Parecia Papai Noel. Época de Natal. Quem sabe era ele? Levou-me até a imensa árvore de Natal - toda cor-de-rosa - e disse:

- Escolha um desses presentes para você.

Eram muitos e lindos, mas peguei uma luva rosa. Ele beijou com carinho minhas mãos todas cortadinhas, de tanto descascar batatas na cozinha do castelo. Levou-me até a saída e assobiou para o cavalo. Partimos.

Cheguei em casa e olhei os olhos do animal - um verde e outro azul, que me olhavam com ternura. Fiz carinho em sua crina e ele partiu. Nessa noite, bateu em nossa porta um empregado do rei. Veio convidar os plebeus para a festa de Natal do castelo. Fiquei em dúvida se ia, porque tinha vergonha de minhas mãos. Foi quando me lembrei das luvas cor-de-rosa. Poderia escondê-las usando-as.

Quando cheguei à festa, avistei o menino que amava desde pequena. Era filho do cavalheiro do rei. Imagine eu, pobre e com as mãos machucadas das facas da cozinha. Nem olharia para mim.

De repente, percebi um chamado:

- Vamos dançar?

Dançamos. Fomos até a varanda do castelo. Lá, ele pediu que tirasse as luvas. Tive medo que deixasse de gostar de mim quando visse que não tinha mãos bonitas. Mas quando percebi, já as tinha tirado. Olhou-me dizendo:

- Você tem as mãos mais lindas que já vi. Como as de princesa.

Meu espanto era enorme. Elas estavam lisinhas, sem os machucados. Rosadas.

Escutei um forte relincho, era o cavalo rosa. Olhava para nós, mas virou-se e partiu. Mais tarde soube que quando era potro, tinha vergonha por ser rosa e porque seus olhos tinham duas cores. Seu dono o expulsou do estábulo, com medo de ele assustar os marrons, pretos, brancos e malhados. Refugiou-se na floresta e o bom velhinho o adotou. Começou a ajudar as pessoas que tinham vergonha de si mesmas. Mostrar que quando se deseja fortemente algo pode-se transformar o mundo.

Naquela noite, em vez de pegar um presente caro, escolhi as luvas cor-de-rosa. Queria esconder minhas mãos. Mas ao mesmo tempo tive coragem de superar minha vergonha. Não deixar que o que me entristecia tomasse conta de mim.

(Beth Valentim)

By San

"Que um cavalo cor-de-rosa possa aparecer em sua vida.
Mostrar o caminho da liberdade de seus medos.
Quem sabe, no Natal, você escolha sapatos que mostrem o caminho das nuvens?
Mas dê sempre a preferência pelo tom rosa.
Isso irá melhorar o seu estado de espírito e refazer sua alma." =D


domingo, 5 de dezembro de 2010

EU e ELA...ELA e EU...




Certa vez me conheci.
Vestia-me toda de preto.
Perguntei-me sobre a Sandra.
Sentei-me ali. A minha frente.

Noutro dia , encontrei-me novamente.
Desta vez estava toda de verde.
Pedi suco, e me estranhei.
Sobre quase tudo que falei, foi melhor quando escutei.

Hoje eu me vejo quase sempre.
Desta vez vestida de Rosa.
Sinto muito minha falta, quando eu não estou presente.

Eu me pareço muito a vida: tudo muito louco...
Neguei-me tantos beijos, pedi-me tantos outros.



Estou vivendo dias caseiros, dias quietos, dias comigo.
Eu resolvo, eu faço, eu cozinho pra mim.
Eu , eu e eu...Tenho tanto a dizer e ao mesmo tempo, nada. rsrsrs...
Hoje vou ficar com o "nada". =]

Bom, vou andar de bicicleta pela cidade...afinal o dia me chama e eu tenho pressa! ;)


Beijão

:D


By San.


sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Mulheres não são mulheres, são garotinhas malcriadas; rosas peraltas.


Não resisti a esse belo texto e resolvi posta-lo aqui, pois vale ser lido e relido diversas vezes... =]
E vou dizer;
"PARABÉNS CLEBER, BELÍSSIMO TEXTO E BELÍSSIMO BLOG!!" *-*




por Cleber D. Gräuth

* série de crônicas intitulada "O reencantamento do concreto"

"_ Os homens de teu planeta cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim... e não encontram o que procuram...""_ E, no entanto, o que eles procuram poderia ser encontrado numa só rosa, ou num poço de água.""_ Mas os olhos são cegos. É preciso ver com o coração..."

Elas são pequenas como eu, malcriadas e peraltas; são até mais lindas e perfumadas, vivem pouco, mas durante sua estada na terra, proporcionam guerra e paz para quem não sabe cuidar delas.

Mulheres são como rosas que colhi, são como buques que, aconchegados em meu peito, não quero mais devolvê-las para a natureza.
Porém não tem como lutar com à ordem natural, então tento me conformar e confortar minhas perdas. Fico então vendo-as irem embora; umas vão com o vento, tão fragéis, tão aventureiras; outras vão sem nem mesmo dizer adeus, e eu sei que estas sempre me trocam por um dentizinho de leão, abraçadas com eles, nem sequer entortam suas pétalas para olharem uma última vez para mim; outras vão com o tempo, voltam para seus canteiros, seus jardins, pois é lá que sentem mais segurança talvez; outras tem espinhos que espetam minha mão, deixando cicatrizes que não reclamo, pois pelo menos deixou alguma coisa. E quando vejo, sobrou apenas uma, sempre sobra uma, é esta que cuido, amo, cultivo, regando e protegendo. Minha rosa, nunca lhe deixarei, nunca lhe abandonarei por lírios, girasóis, orquídeas e toda espécie que se acha por aí no mundo. Seja sempre minha, perfumando meu dia, iluminando minha noite.

"Cleber D. Gräuth"

Lindooooooooooooooo! ♥

By San.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

É... Reconstruindo.


Comprei chocolate...parei o carro...sentei na grama...olhei o céu.
Os livros me mostraram muito, as pessoas, as conversas...
Os dias divertidos, as risadas no final de semana, os dias de fúria, de raiva.
Os dias de saudades, minutos de criança, horas de fé.

Encontrei pessoas tranqüilas, velhinhos saudáveis que me disseram:
Vc tá triste? Posso ajudar? Quer caminhar conosco...? É bom.

Passei horas relembrando minhas histórias...minha vida...minha fé!
Pensei nas aulas de yoga, que deixei pra trás por pensar nas palavras de uma pessoa...
" Em vez de você praticar yoga, porque você não vai REZAR!" Isso acabou comigo! =/

É...acho que tenho que rezar, rezar muito mais, quem sabe papai pode me escutar!
"As vezes acho que ele não me escuta mais!"
Estou lendo muito rápido , diria que engolindo as palavras. Menos de um mês e lá se foram uns 6 livros.
Nesse tempo decidi não ler mais romance espírita ( tudo muito igual) e peguei uma biografia.
Que se chama..."Depois daquela viagem"

Percebi que tem muita coisa nesse mundo, e eu ainda to meio parada pra ele.=//

Lendo o jornal da semana, vi uma historia de um velhinho japonês, que aos 80 anos, cultiva jardins e bla bla., ele faz aniversário essa semana
E pensei...

Quando eu tiver 80 anos, como vai ser meu aniversário?
"Será que eu vou parar e pensar." Poxa, pode ser o último?
Eu já ouvi muitos velhinhos falarem isso... parece que a idade vem e as pessoas já pensam na morte.
Pra mim a morte ta aqui do lado. Então decidi que em todos os meus aniversários eu vou pensar como uma velhinha.
-Será o último?
Assim, quem sabe eu aproveito melhor aquele ano e faço uns jardins pra cidade *_*

Hoje estou meio alheia as pessoas, estou longe de muita gente e querendo ficar longe mesmo.
Me preocupei muito com "outros" tanto que quando esses "outros" já estão bem cuidados eles vão embora, e eu fico aqui esperando.

Outra palavra que eu não quero mais usar = "cansei"
Eu quero é ter vontadesss e mais vontadesss, nada de cansar!




"Falei e falei. Até a hora que senti vontade de calar."



Apreço tenho muito apreço...estou tranquila, a raiva vem e vai para os cancerianos.
A felicidade é um momento bom, que eu quero preservar, nem que seja 2% ao dia.
Não sou perfeita, ninguem é feliz toda hora, nem triste uma vida inteira.
Eu sou HUMANA...sou SANDRA...sou ALICE...e as vezes, sou VELHINHA com 80 anos.=/
Eu quero mesmo é continuar sendo a SAN...As vezes baladeira, as vezes caseira, as vezes carente, as vezes solitária, as vezes sorridente.
Eu sei, as vezes ela vai me machucar, me fazer chorar...mas faz parte!

Eu to bem!!!

ótima quinta-feira pra todos.

By San.