sábado, 6 de fevereiro de 2010

Eu tenho andado tão sozinha ultimamente!!!


Tem uma música que diz assim: "eu tenho andado tão sozinha, que eu nem sei no que acreditar", e às vezes minha vida parece o clip disso aí, porque mesmo em meio a um monte de gente, já não sei mais no que ou em quem acreditar, em meio a tudo isso, a única coisa que posso afirmar que permanece inalterada é minha fé em Deus, no mais, já nem sei...
Às vezes acredito com tanta convicção em certas coisas por razões que para a minha ideia lógica são equações exatas, com 100% de probabilidade de darem certo, mas aí vem a vida e embaralha todos os números e me mostra que nada do que eu pensei será efetivamente como eu gostaria que fosse... caramba, porque é tão complicado assim? Será que pelo menos por uma vez não pode ser só um pouquinho mais fácil?
Mas sabem de uma coisa? Eu cansei, cansei de esperar e até mesmo de tentar entender, e numa boa! Desisti de muita coisa, de muitos sonhos, de coisas que eu sempre achei que me fariam feliz de verdade - e que no fundo eu sei que fariam mesmo - , mas se preciso desistir pra levar uma vida mais leve, vamos lá Dona Vida, entrego meus pontos hoje, você venceu, não vou mais lutar, nem acreditar, nem esperar, nem me esforçar para entender e assim criar novas expectativas que só me trazem frustração; daqui pra frente vou só viver, sem sonhar, sem pensar em amor, em sentimento, um dia de cada vez e mais nada, tô cansada de tentar entender, de compreender mil vezes e ser compreendida raríssimas vezes; cansei de ser paciente e depois ser acusada de não ter meus sonhos realizados por ser justamente o contrário; cansei de tentar entender as pessoas ao meu redor, pra tudo achar justificativa e perdoar, mas quase nunca ser perdoada pelos meus erros, que assumidamente tenho.
Cansei de querer o que você já me provou que não tenho o direito de ter, tá certo, façamos então este pacto: você não põe em meu caminho mais ninguém, que ele seja assim, vazio, uma estrada aberta num grande descampado, e eu, por minha vez, seguirei neste caminho, sempre em frente, sem nada a ver ou esperar, e assim você se torna mais fácil e leve pra mim, e eu então passarei a viver, pelo menos, em paz.
Só queria, Dona Vida, que você não me machucasse mais; talvez tenha mesmo sido boba em não perceber algumas oportunidades que você me deu, mas de qualquer modo, já me desiludi e me tornei o que você me fez: alguém sem nada mais a oferecer, minha cota de amor acabou, como aquela areia que escorre de um lado para o outro da ampulheta sem nada restar no lado esvaziado, acabou finalmente, e não vale a pena você tentar mudar isso porque demorou, mas entendi o que realmente deve ser, vamos levar a sério nosso pacto, vamos buscar o equilíbrio já que você está dentro de mim e que teremos que conviver sempre juntas, invariavelmente... hoje acabou de verdade, já declarei o que penso e a sua vitória, minhas desilusões e a convicção sobre o que não será, espero que seja o suficiente.

Não me recordo de em nenhum outro momento da minha vida ter me sentido tão sozinha quanto agora...