domingo, 22 de dezembro de 2013

CONTO DE NATAL... *-*

Não sou princesa, mas súdita do castelo. Trabalho na cozinha cortando batatas. Um monte delas! Quando termino o serviço, vou até a floresta. Certo dia, caiu uma tempestade terrível e não pude retornar. Adormeci sob uma árvore frondosa. Estava com muito medo. Quem conhece os verdadeiros perigos das matas?

De repente, escutei um delicado barulho. Abri com cuidado os olhos e não acreditei no que via. Um cavalo cor-de-rosa, lindo! Com um olho azul e outro verde. Os cílios eram negros e longos. A crina prateada ia até o chão. Soltava leve fumaça branca e rosa pelas narinas, clareando o nosso redor. Levantei-me com certo receio. Ele se abaixou para que sentasse em seu lombo. Alguma coisa em meu coração dizia: vá com ele!

Galopamos até chegar a um reino todo rosa. Das chaminés das casas saíam fumaça rosa. As pedras do chão das ruas estreitas também eram de cor rosa. Paramos em frente a uma casa branca, a única do tal reino. Tinha janelas e porta de cristal e delas saíam estrelas.

O cavalo se abaixou para que eu descesse. Um velhinho de barba branca apareceu. Tinha o sorriso gostoso, bochechas cor-de-rosa. Pediu que entrasse. Parecia Papai Noel. Época de Natal. Quem sabe era ele? Levou-me até a imensa árvore de Natal - toda cor-de-rosa - e disse:

- Escolha um desses presentes para você.

Eram muitos e lindos, mas peguei uma luva rosa. Ele beijou com carinho minhas mãos toda cortadinha, de tanto descascar batatas na cozinha do castelo. Levou-me até a saída e assobiou para o cavalo. Partimos.

Cheguei em casa e olhei os olhos do animal - um verde e outro azul, que me olhavam com ternura. Fiz carinho em sua crina e ele partiu. Nessa noite, bateu em nossa porta um empregado do rei. Veio convidar os plebeus para a festa de Natal do castelo. Fiquei em dúvida se ia, porque tinha vergonha de minhas mãos. Foi quando me lembrei das luvas cor-de-rosa. Poderia escondê-las usando-as.

Quando cheguei à festa, avistei o menino que amava desde pequena. Era filho do cavalheiro do rei. Imagine eu, pobre e com as mãos machucadas das facas da cozinha. Nem olharia para mim.

De repente, percebi um chamado:

- Vamos dançar?

Dançamos. Fomos até a varanda do castelo. Lá, ele pediu que tirasse as luvas. Tive medo que deixasse de gostar de mim quando visse que não tinha mãos bonitas. Mas quando percebi, já as tinha tirado. Olhou-me dizendo:

- Você tem as mãos mais lindas que já vi. Como as de princesa.

Meu espanto era enorme. Elas estavam lisinhas, sem os machucados. Rosadas.

Escutei um forte relincho, era o cavalo rosa. Olhava para nós, mas virou-se e partiu. Mais tarde soube que quando era potro, tinha vergonha por ser rosa e porque seus olhos tinham duas cores. Seu dono o expulsou do estábulo, com medo de ele assustar os marrons, pretos, brancos e malhados. Refugiou-se na floresta e o bom velhinho o adotou. Começou a ajudar as pessoas que tinham vergonha de si mesmas. Mostrar que quando se deseja fortemente algo pode-se transformar o mundo.

Naquela noite, em vez de pegar um presente caro, escolhi as luvas cor-de-rosa. Queria esconder minhas mãos. Mas ao mesmo tempo tive coragem de superar minha vergonha. Não deixar que o que me entristecia tomasse conta de mim.

(Beth Valentim)

By San




"Que um cavalo cor-de-rosa possa aparecer em sua vida. 

E mostrar o caminho da liberdade de seus medos.
Quem sabe, no Natal, você escolha sapatos que mostrem o caminho das nuvens!?
Mas dê sempre a preferência pelo tom rosa.
Isso irá melhorar o seu estado de espírito e refazer sua alma." =D