quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Prontos?"


Ano Novo?
Teoricamente -continua tudo igual...
Ainda seremos os mesmos.
Ainda teremos os mesmos amigos.
Alguns o mesmo emprego.
O mesmo parceiro (a).
As mesmas dívidas (emocionais e/ou financeiras).
Ainda seremos fruto das escolhas que fizemos durante a vida.
Ainda seremos as mesmas pessoas que fomos este ano...
A diferença, a sutil diferença, é que quando o relógio nos avisar que é meia-noite, do dia 31 de dezembro de 2015,
haverá um ano IN-TEI-RI-NHO pela frente!
Um ano novinho em folha!
Como uma página de papel em branco, esperando pelo que iremos escrever.
Um ano para começarmos o que ainda não tivemos força de vontade, coragem ou fé...
Um ano para perdoarmos um erro, um ano para sermos perdoados dos nossos 365 dias para fazermos o que quisermos...
Sempre há uma escolha....
E, exatamente por isso, eu desejo que vocês façam as melhores escolhas que puderem. Desejo que sorriam o máximo que puderem.
Cantem a música que quiserem.
Beijem muito.
Amem mais.
Abracem bem apertado.
Durmam com os anjos.
Sejam protegidos por eles.
Agradeçam por estarem vivos e terem sempre mais uma chance para recomeçar..
Agradeçam as suas escolhas, pois certas ou não, elas são suas.
E ninguém pode ou deve questioná-las.
Quero agradecer aos amigos que eu tenho.
Aos que me 'acompanham' desde muito tempo.
Aos que eu fiz este ano.
Aos que eu escrevo pouco, mas lembro muito.
Aos que eu escrevo muito e falo pouco.
Aos que moram longe e não vejo tanto quanto gostaria.
Aos que moram perto e eu vejo sempre.
Aos que me 'seguram', quando penso que vou cair
Aos que eu dou a mão, quando me pedem ou quando me parecem um pouco perdidos.
Aos que ganham e perdem.
Aos que me parecem fortes e aos que realmente são.
Aos que me parecem anjos, mas estão aqui e me dão a certeza de que este mundo é mesmo divino.”

Um abraço bem grande e que no Ano Novo vocês façam suas próprias escolhas e sejam muito felizes!
É o que eu desejo do fundo do meu coração!!

Bjs... E FELIZ ANO NOVOOOO... FELIZ DIA NOVOOO... FELIZ NOVO LIVRO DA VIDAAA!!

By San

"Alimente apenas amor em seu coração. Quanto maior for sua aliança com o bem, maior será o bem em sua vida."
Paramahansa Yogananda



segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Surpresas da Vida...


Uma das expressões que não me canso de repetir é que “a vida é uma caixinha de surpresas” e quantas vezes na nossa vida, esta expressão faz tanto sentido! E então quando nos surge uma daquelas surpresas pela frente e nos toca de forma mais intensa...



A vida é, sem qualquer dúvida, feita de surpresas, ou de um encadeado de surpresas: umas boas, outras más, umas grandes, outras pequenas, de diversas formas e tamanhos, de diferentes sabores e intensidades, umas como resultado de opções que nós próprios tomamos, outras são completamente imprevisíveis.



As Surpresas da Vida são um encadeado de acontecimentos que não estão planejados e que não conseguimos prever, são acontecimentos inesperados e para os quais temos de saber reagir da melhor forma para que tanto esses acontecimentos como os seus efeitos nos causem o menor dano possível em cada momento. Aliás cada momento da vida é também ele uma pequena surpresa porque não sabemos ao certo o que ele nos reserva até o vivermos. Por isso vivemos momentos únicos e, por vezes, completamente imprevisíveis.



Quando nos visitam aquelas surpresas menos boas, facilmente ficamos desalentados, o nosso sorriso desaparece. À nossa volta tudo parece bem mais cinzentão e enfadonho, temos aquela sensação de impotência perante os efeitos dessas surpresas e sentimo-nos tristes. Nestas alturas temos que ser capazes de acreditar que o nosso sorriso não nos abandonou mas apenas hibernou durante um tempito e que irá regressar com uma pequena surpresa agradável para contrariar o desânimo e a tristeza. É nestes momentos que temos que encontrar forças para reagir e renovar o estado de espírito, que temos que estar atentos às surpresas que vão fazer inverter o ciclo negativo e para isso temos também que estar receptivos a ser surpreendidos de forma positiva, bastando para isso ter bem sintonizada a frequência do Otimismo.



Mas quando a surpresa é agradável, então o nosso sorriso desponta, os olhos brilham, o ânimo regressa e instala-se confortavelmente na nossa vida. Parece que o mundo à nossa volta é bem mais colorido! Nessas alturas temos que saber retirar das surpresas tudo aquilo que elas nos trazem de bom. Temos que desfrutar da alegria, temos que partilhar o nosso sorriso com quem nos rodeia, em especial com as pessoas que nos acompanham na vida e nos tocam de forma especial. Temos forçosamente que contagiar os outros com o nosso estado de espírito, geralmente de bem-estar e felicidade interior.



A vida vai continuar a ser uma caixinha de surpresas, e uma após outras, as surpresas vão fazer com que a monotonia não se instale e fazer com que seja divertido e emocionante ir descobrindo o que essa mesma “caixinha” nos vai reservando ao longo da vida.

O importante é não deixar a tal caixinha fechada, mas sempre entreaberta...

O importante é não deixar nenhum “embrulho” fechado...



A vida está cheia de surpresas e de momentos inesquecíveis... Vamos vive-los... =)


By San

"Quando o meu amigo está infeliz, vou ao seu encontro...
Quando está feliz, espero por ele."


 

sábado, 12 de setembro de 2015

Eu preciso ficar só...


Eu preciso estar só comigo,
mesmo que seja só por um tempo,
mesmo que seja só um pouco.

É nesse encontro que me sinto mais eu...
é nesse encontro que fico maior que eu...
é dessa forma que vejo além de mim.

Por isso, eu preciso estar só,
eu preciso estar só comigo,
mesmo que seja, um pouco só,
o tempo suficiente para deixar 
o silêncio passar por mim.

No silêncio me sinto mais,
no silêncio eu sinto a paz,
no silêncio me banho e me refaço,
no silêncio me acho...
e comigo, perco a noção do tempo,
posso abrir minha caixa de brinquedos,
e deixar o tempo passar por mim...
brincar, brincar, brincar... 
É aqui que me sinto parte, é aqui que faço arte.

Por isso eu preciso ficar só,
eu preciso ficar só comigo,
mesmo que seja um pouco,
mesmo que seja um pouco só.


By San


quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Meus dias... (Há sua espera amor.)

Meus dias tem a sua forma, você amanhece em mim todo cair da noite.


E anoiteces em mim todo deitar do dia.

Moro de aluguel em mim a tua espera. ♡♡♡


By San




Você é a luz, você é a noite
Você é a cor do meu sangue Você é cura, você é a dor Você é a única coisa que quero tocar


segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Amor entre a chuva e o vento...

Um dia a chuva perguntou ao vento...
Para onde me levas..?
E ele apenas disse.. Fecha os olhos e vem sentir!

Sim... A chuva ainda lembra como o vento à amava.

Um amor lindo, verdadeiro, onde o carinho e sonhos eram intensos a cada momento...

Mas um dia, a chuva se perdeu do vento...
Foi um furação, que cruel e sem coração, passou em seu caminho trazendo tormento...

E sem explicação, à levou sem destino pra outra direção... onde o amor, é só canção...

Ahhh... saudade daquele tempo, em que chuva e vento, sabiam a direção! S2





quarta-feira, 22 de julho de 2015

Amar é difícil porque é fácil...

Amar é simples. Sei pela dificuldade que todos encontram em exercer tal verbo. Porque é o simples que complica as nossas pernas. Porque é a dificuldade que faz brilhar nossos olhos, ainda que inconscientemente.
Amar é difícil porque a princípio, é fácil como respirar.  Basta encher os pulmões. É simples como adorar os sorrisos com covinhas, ou achar bonito o brilho dos olhos. Amar é simples, e é esse o nosso martírio.
É incrível como caras “certos” se transformam em errados, quando passam ser nossos objetos de desejo. Como pessoas que tem muito em comum e procuram a mesma porta, não conseguem unir  as mãos.
Seria cômico se não fosse triste, a dessincronia da humanidade. Da nossa dessincronia. Onde todos se procuram e nunca se acham.
Não é a má gramática da vida que nos impede de conjugar o verbo amor. É a nossa versão analfabeta e medrosa, criada pra ser individualista, louca para dividir um sonho na padaria, e medrosa o suficiente para correr quando atravessam a fronteira. Digo por mim, que de todas minhas reinvenções, ainda não encontrei uma que conseguisse não partir quando o que queria era ficar.
É a sede destemperada, o medo fantasmagórico da perda, dos sentimentos em desalinho se agigantando que nos faz assim: vencedores de causas onde perder seria a maior vitória.
Amar é fácil. Como é fácil rir das piadas daquele cômico da internet. Como se emocionar com os textos lindos da colega do trabalho. Amar é fácil como derreter sorvete no céu da boca. E é exatamente por isso que a gente não ama. Vivemos pela busca da vitória, onde perder o bem querido significa o querer vê-lo pedir arrego somente parar lhe oferecermos um sonoro e gigantesco não. Porque ser quem dá o pé e não quem leva o chute na bunda, é apetitoso demais, e amparados pelo medo de sofrer, todos querem ser os primeiros a mostrar ao outro a porta da rua, serventia da casa.
Amar é simples como gostar da comida de mãe. Como aceitar colo de avô. Como não rejeitar pudim da avó. Amar é fácil e de tão fácil, torna-se difícil.
Por que nos contaram muitas histórias de super heróis e de fadas encantadas na infância. Porque não serve a bola que está ao alcance das mãos. Tem que ser aquela, pequena, azul,  descolorida, que sabe-se lá porque ficou em nossas mãos somente durante alguns minutos e que mal lembraremos dos detalhes quando a tivermos nas mãos e depois de cansados, resolvermos a esvaziar. Porque todo mundo precisa de um drama pra ater-se a vida. Porque a dor, o medo da perda e da rejeição, ainda provoca mais borboletas no estômago que um abraço quentinho e estendido no fim da tarde. Porque temos impulso de deuses, querendo desafiar o impossível, inventando-o.
Seria piada se não fosse tragédia: Uma humanidade inteira com corações vazios querendo preenchimento, no entanto, sem nunca se permitirem, e ironicamente, tentando exatamente o oposto.
Seria fácil se fosse difícil. Porque encostar no céu é simples demais. Queremos engolir as estrelas.
E então o amor casa-se com aqueles poucos que se permitem a vida, e nós, reles mortais com síndromes de deuses, continuamos numa caçada heróica de algo que sempre esteve embaixo do nosso nariz mas, que por ser simples demais preferimos ignorar.
“E assim caminha a humanidade… 
com passos de formiga e sem vontade.”

Por hoje rezo. Rezo para que seus pés encontrem enfim o rumo certo do nosso destino e nos salvemos da apatia sem fim... Quanto a vida, amor, esperança e fé? Oro por você, porque sei que em algum canto do mundo, seus olhos também esperam por mim.
  
By San 



sexta-feira, 8 de maio de 2015

Mãe, hoje o dia amanheceu cinza, e chove aqui dentro de mim...

Eu tomo a minha dose diária de amor, quando elevo o meu pensamento a ela. Não há um só dia que eu não me lembre. São tantas lembranças ternas, são tantas coisas boas que ela plantou em mim, que instantaneamente um sorriso me floresce no rosto e na vida. E eu só consigo pensar em como eu gostaria de ser incrível como ela foi. Minha mãe foi uma dessas pessoas que partiram, mas não foram embora. Ela fez morada no coração da gente. Se eu pudesse reinventar a minha realidade agora, seria feito conto de fadas: - Gênio da lâmpada, dos três desejos que posso pedir, quero da minha mãe um beijo doce, um abraço apertado e um conselho desses que a gente leva pra vida. Embrulha para presente, por favor! 

Te amo minha mãe, e será eterno... Um dia estaremos juntinhas de novo!! S2




segunda-feira, 4 de maio de 2015

O que vêm depois...

Depois de alguns anos de vida e certa bagagem na minha história, eu aprendi a ouvir aos alertas que vêm de dentro. Percebi que a minha intuição quase nunca se engana e eu, que aprendi a interpretar o que o coração diz, tento não me deixar iludir tão fácil.  


E ali, logo adiante, sem ter muito o que esperar, as coisas se confirmam e me mostram que estou no caminho certo, que é por aí e me fazem acreditar que as intuições costumam mesmo ter boas intenções. Saber identificar esses avisos tem me poupado tempo, noites mal dormidas e rímel borrado 













domingo, 12 de abril de 2015

Desejos...



Desejo de gritar.
Desejo de correr pelada num campo.
Desejo de fugir. Fugir de responsabilidades, fugir de protocolos, fugir das máscaras, fugir do mundo.
Desejo de conhecer outros lugares, beber água em cima de um camelo, queimar a mão por cair nas montanhas geladas do Chile, chorar com as belezas dos monumentos do Japão.
Desejo de fazer amor ao ar livre, no elevador, no fundo do mar, na Itália, na Transilvânia, nas montanhas do Tibet...
Desejo de tomar um banho de chuva beijando na boca...
Desejo de ficar olhando para a pessoa que vai me amar, sem pensar em nada.
Desejo de voar, sentir adrenalina.
Desejo de tomar banho de mar e ver os golfinhos.
Desejo de continuar
De amar
De sonhar

Desejo de desejar…


segunda-feira, 6 de abril de 2015

Carta para a menina que tinha pressa de crescer...

Nem tudo será como você imaginou. Será preciso lutar um pouco mais por algumas coisas e até mesmo desistir de outras. Você perceberá que nem sempre é possível alcançar o desejado, mas a boa notícia é que isso dói bem menos do que imaginava – tudo bem, causa um incômodo, sim, não vou negar. As pequenas coisas serão enormes e você vai se perguntar como pôde passar tanto tempo sem perceber. Outras que pareciam indispensáveis não farão a menor falta, mas isso já não causará estranheza. Sabe aquela história do “tempo cura tudo”? Ela é verdade verdadeira, posso garantir. A vida dará muitas muitas voltas. De vez em quando, elas darão vertigem, mas em outras te levarão de volta ao ponto de partida onde mora sua essência. Você entenderá que 2 + 2 nem sempre é igual 4 porque o mundo é complexo demais para ter só uma resposta certa. Você continuará batendo o pé, mas sem deixar de dar a mão, porque enxergará por um ângulo que vai bem além do seu umbigo. E aprenderá a perdoar, especialmente você mesma, por não ser sempre literalmente aquilo que imaginou. Na verdade, sentirá prazer em não ser: sim, a surpresa continuará te agradando muito mais do que o óbvio.