sexta-feira, 8 de maio de 2015

Mãe, hoje o dia amanheceu cinza, e chove aqui dentro de mim...

Eu tomo a minha dose diária de amor, quando elevo o meu pensamento a ela. Não há um só dia que eu não me lembre. São tantas lembranças ternas, são tantas coisas boas que ela plantou em mim, que instantaneamente um sorriso me floresce no rosto e na vida. E eu só consigo pensar em como eu gostaria de ser incrível como ela foi. Minha mãe foi uma dessas pessoas que partiram, mas não foram embora. Ela fez morada no coração da gente. Se eu pudesse reinventar a minha realidade agora, seria feito conto de fadas: - Gênio da lâmpada, dos três desejos que posso pedir, quero da minha mãe um beijo doce, um abraço apertado e um conselho desses que a gente leva pra vida. Embrulha para presente, por favor! 

Te amo minha mãe, e será eterno... Um dia estaremos juntinhas de novo!! S2




segunda-feira, 4 de maio de 2015

O que vêm depois...

Depois de alguns anos de vida e certa bagagem na minha história, eu aprendi a ouvir aos alertas que vêm de dentro. Percebi que a minha intuição quase nunca se engana e eu, que aprendi a interpretar o que o coração diz, tento não me deixar iludir tão fácil.  


E ali, logo adiante, sem ter muito o que esperar, as coisas se confirmam e me mostram que estou no caminho certo, que é por aí e me fazem acreditar que as intuições costumam mesmo ter boas intenções. Saber identificar esses avisos tem me poupado tempo, noites mal dormidas e rímel borrado